julho | 2016 | Eduardo Colamego

Não há como viver uma vida profunda, com percepções superficiais.

O meu desejo é pela profundidade.

A superficialidade nunca nos dá a ideia precisa de algo ou alguém, o raso conhecimento sobre um assunto, nunca nos ajuda a decidir de forma inteligente ou suficiente.

Vou dar um exemplo bem Simples que vi esses dias, mas vejo todo tempo.

Um carro fica parado mesmo com o sinal tendo aberto, o sinal está verde, mas o carro que está lá na frente não sai do lugar, logo as buzinas soam, logo mesmo, cerca de 3 segundos após o sinal abrir e o carro da frente não seguir, buzinas soam e em seguida xingamentos acompanhados de caras raivosas babando ignorância e intolerância.

A pessoa do carro sai sem graça, o carro quebrou e ele não tinha como seguir. Um educado em meio aos ignorantes se oferece e ajuda o rapaz a encostar o carro.

Enfim, vivemos tempos que pessoas estão somente preocupadas com os seus umbigos, seus interesses e se deixam tomar pela ignorância e pelos sentimentos e atitudes que ela faz aflorar.

Pensam em um palavrão mais baixo possível para humilhar quem está “atravancando” a vida deles, não possuem tempo para uma reflexão que seja minimamente humana, minimamente inteligente, fazem uma ideia superficial do ocorrido e gritam palavrões e usam a buzina quase como uma metralhadora, descarregando toda sua ignorância e superficialidade.

É triste, é muito triste.

Quem bem pensa, bem age, quem pensa, já está vivendo melhor e fazendo do mundo algo mais perto do que sonhamos.

Eu rogo pela busca de um pensamento mais profundo e mais sábio. Que assim seja.